quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Feliz Ano Novo!


Um Feliz 2008 para todos os amantes de São José da Laje.

Baixem este maravilhoso papel de parede.

domingo, 16 de dezembro de 2007

Laje Carece de Educação Para o Trânsito

A nossa pequena São José da Laje, com apenas 22.282 habitantes (Censo 2007) urge de um trabalho intensivo de educação para o trânsito. Todos os dias centenas de pessoas circulam pelas ruas da cidade, que estão estreitas para tantos carros, motos e bicicletas, na iminência de um acidente para tirar nossa paz de cidade pequena e a falta de educação no trânsito aparece a todo instante.


Somente neste trimestre já aconteceram 7 acidentes de trânsito em São José da Laje e proximidades, envolvendo cidadãos lajenses e das cidades circunvizinhas. Foram 3 atropelamentos, 1 virada e 3 colisões, deixando um saldo de 8 mortos e 1 ferido. Destes, 5aconteceram na BR 104, as colisões, a virada e os atropelamentos acontecidos na BR 104 poderiam ter sido evitadas se acaso a rodovia fosse bem sinalizada (em trechos de maior tráfego de pessoas) e se os condutores tivessem sido mais prudentes, praticando a Direção Defensiva. Quanto aos atropelamentos faltaram o cuidado de se andar em vias federais, uma senhora adulta e uma criança foram vítimas deste tipo de acidente.

Nossa pequena estatística têm alarmado os moradores das cidades vizinhas, que espantados já pensam em "exorcizar" a BR 104.
Mas o perigo também está na cidade. No início do mês um jovem, bêbado, foi atropelado por um ônibus dirigido pelo motorista conhecido por "Sete Pernas", no cruzamento perigozíssimo da Av. José Paulo Tenório com a Praça João Pessoa (Praça das Caravans). Segundo boatos o jovem pedestre estava totalmente bêbado e caiu da calçada justamente quando o ônibus fazia a curva e teve sua cabeça esmagada pelos pneus traseiros do veículo, seus miolos ficaram expostos por horas na via pública.

Justamente nas ruas da Laje pedestres e condutores são agentes de um trânsito desorganizado, com freadas bruscas e buzinadas a toda hora. As calçadas quando não estão impedidas por construções irregulares ou entulho (que a Secretaria de Obras não vê), simplesmente não são usadas pelos pedestres. Parece que andar no passeio público é coisa de otário.
Algumas vezes os veículos precisam buzinar diversas vezes para fazer os pedestres voltarem-se para as calçadas, outras ainda são xingados com a célebre frase: "Passa por cima!"
Os órgãos que regulam este tipo de coisa só servem para arranjar votos e empregos, ou então para investirem alguns funcionários públicos de poderes que só existem em sua cabeça, porque não sei se por pura imprudência, imperícia ou simplesmente desleixo, não cumprem seu papel institucional, havendo um desvio de sua finalidade.
Temos uma rádio comunitária que não é nada comunitária. Atua como rádio comercial com músicas o dia inteiro, espalhando comerciais durante toda sua programação e informação copiada a maneira das demais rádios comerciais do Estado. Será que a rádio comunitária cumpre seu papel legal? Ou somente quer competir com AG FM, Serrana FM, Farol Sat e outras? Isso é um assunto de outra postagem...
Por tanto solicito que os leitores deste blog cliquem no banner acima, retirado do site do Ministérios das Cidades e vejam um pouco de educação para o trânsito. Cliquem, vcs vão gostar.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

O que queres tu de mim?

Vc se lembra da música antiga, cantada por Altemar Dutra e Waldick Soriano, dentre outros, que interrogava "Que queres tu de mim?", agora nosso povo pergunta aos nobres vereadores lajenses: "Que queres vós de nós?".
As pessoas não imaginam quão lucrativo é assumir um cargo eletivo, e pensam alguns ingênuos que estão dando uma ajuda a "fulano" ou a "sicrano", quando na verdade estão lhes dando poder para saquearem os cofres públicos, garantindo emprego para toda sua família e fechando as oportunidades de emprego para as outras famílias.
Pregam que são bons moços mas na verdade querem ver "o lajense" na miséria, chorando por um prato de comida, por um copo d'agua, e até por um "exame de fezes".
A comida que se vende nas ruas da Laje, os lanches, são jogados as moscas, a saúde pública não vê isso, mas cobra e recebe para colocar aquela plaquinha que diz: "A vigilância sanitária esteve aqui".
Nos supermercados, carnes, peixes, frios são vendidos misturados, como se fossem uma só espécie de produto. Mas os microbiologistas sabem que cada um desses têm suas próprias especificidades, suas próprias bactérias...
O transporte de estudantes para a capital alagoana é feito numa das piores formas: um ônibus pé duro, que se não fosse a perícia do motorista já teria causado acidentes sérios. E ninguém, nenhum vereador, nem da oposição ou da situação, diz nada sobre o assunto, nenhuma interpelação, nenhuma ação para ajudar a prefeitura municipal ou a secretaria municipal de educação rever essa atitude.
Nossa Laje um dia voltará a ser a Princesa das Fronteiras, mas não será por causa deste ou daquele, ou dos governos que virão, tem que partir de nós. Passarmos a exigir um transporte de melhor qualidade, uma regulação pública efetiva das práticas comerciais. Não há culpa neste ou em qualquer outro governo, há sim uma inércia nossa, uma babaquice sem medida que nos faz tão "bestializados" quanto os brasileiros nos primórdios da República!
Estudantes, Comerciantes, Funcionários, Públicos, Lajenses Ausentes e Presentes, precisamos reagir!
Atenção: o autor deste texto não é candidato a nada nas próximas eleições municipais, acredita que aqueles que desejam modificar a realidade dos outros (e não a deles e de seus familiares somente) devem começar com as armas que têm, sendo éticos e tomando iniciativas próprias ou em conjunto.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Caras e Coroas!!!

O povo lajense anda meio desconfiado daquele rapaz que de repente começo a apertar a mão de todo mundo que vê? E daquela moça posuda que anda sorridente perguntando pela família de todo mundo, querendo saber dos patos, do gato que a gente tem em casa...

Por que essa gente boa não floresce a cada decisão que toma, somente agora a menos de 1 ano das eleições começamos a ver tanta gente disposta a nos dar um sorriso! Como diria o palhaço Bozo: "Que peninha!"
Com a filiação de um número expressivo de pessoas alguns partidos instituídos na Laje já deram a entender quem serão seus candidatos, ou ao menos esses candidatáveis já se fizeram entender que são candidatos.
Daí surgem indivíduos fanfarrões e outros mais sisudos, e diga-se de passagem, sisudas também, com os mais variados cumprimentos que se pode ter idéia.
Tem gente que deixou até de andar de carro, agora só anda a pé pra poder apertar a mão de todo mundo que encontra pela rua.
Já decorei o roteiro de uma nobre senhora candidatável que passa pela minha casa e cumprimenta meu vizinho sempre com as mesmas perguntas: "Como vai a família? Como o senhor está?"...
E quando vou ao trabalho tem sempre uma outra senhora que pergunta até pelos gatos que um colega de trabalho cria em casa... Essa mesma gente ignorava os dois personagens citados uns 4 meses atrás.
Porque as pessoas têm que parecer mais falsas do que são para galgar um cargo eletivo (vereador e prefeito)?
Não seria mais fácil tomar atitudes éticas em relação a vida, a sociedade... Não seria melhor pra todos se todos que dependessem de nossas ações fossem bem assistidos, se não fizéssemos politicagem ao desempenhar nossas funções públicas?
Será que existe uma alternativa ante a cara e a coroa que nos mostram os políticos que surgem nesta terra?

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Meu Projeto de Férias...


Em 2007 gozei as minhas primeiras férias laborais da vida. Fui a Salvador com a família rever uns parentes e alguns lugares que eles não vão esquecer tão cedo... Para o ano de 2008 meu intinerário será outro, passarei as férias na Laje, e viajarei por todas as brenhas, sítios, fazendas, povoados, rios e riachos que ouvi dizer que existem durante minha infância nas conversas longas com meu avô. Será uma busca por descobrir na nossa cidade cenas bonitas para meu novo projeto "Laje In Foco", uma exposição fotográfica dos cantos mais distantes e bonitos de São José da Laje. E minhas férias serão usadas para realizar este projeto. Usando uma máquina digital sem muitos apetrechos eu conseguirei e alicerçado nos conhecimentos fotográficos adquiridos nos cursos de Fotografia do Instituto Denver e Curso Multimídia de Fotografia da National Geographic.
Mas vou dar uma canja: após horas de tentativa e de acertos de hora, passando de 10 em 10 minutos do ponto estratégico consegui esta foto, ainda não tá perfeita, mas em breve conseguirei uma melhor...

O que é Taturana?

Agora com essa fama da polícia federal caçar anjos pela terra, e aqui em Alagoas esta busca têm-se tornado rotineira, surge a necessidade de explicarmos, vez por outra, o signifcado das palavras com as quais são batizadas as tais operações.

Não farei nenhum comentário acerca desses anjos, uma vez que a imprensa comercial já dispôs muitas informações para se entender o caso, ademais, cabe a justiça apurar e julgar os fatos, cabe a nós eleitores somente votar bem nas eleições.

Afinal todo mundo reclama dos políticos que temos mas eles não vão pra lá sozinhos... Nós somos os culpados!

Taturana ou tatarana (do tupi Semelhante ao fogo, parecido à Xana) é o estado larvar (lagarta) das Mariposas (Brasil) ou traças (Europa) do género Lonomia e outras. Estas lagartas têm pilosidades e são potencialmente perigosas. Há algumas espécies com venenos poderosos, como a Lonomia obliqua, denominadas "taturanas assassinas", que podem provocar hemorragia, insuficiência renal e até levar à morte. Nos Estados do sul do Brasil chegaram a ocorrer mais de mil casos de acidentes com lagartas do gênero Lonomia, vários destes resultando em morte. Pesquisas da ESALQ indicam que a proliferação destas deve-se ao fato de vários predadores naturais (contra os quais, curiosamente, os pêlos não são defesa) terem desaparecido com a devastação do ambiente natural. Desta forma, as taturanas, que antes alimentavam-se das folhas da aroeira e do cedro, passaram a alimentar-se das folhas de árvores dos pomares, diminuindo assim a distância do habitat humano e aumentando a incidência de acidentes.


Predadores naturais


A pesquisa da USP descobriu que o principal predador da Lonomia obliqua é uma mosca da família Tachinidae, que deposita cinco ou seis ovos na taturana. Ao nascerem as larvas alimentam-se de seu corpo. Uma vespa da família Ichneumonidae faz o mesmo, embora deposite apenas um ovo. O vírus loobMNPV é nocivo apenas para a Lonomia obliqua, que fica com movimentos lentos e aparência amarelada. Um verme da família Mermitidae também foi identificado como predador, além de um percevejo da família Pentatomidae que consegue sugar os fluidos da lagarta.
Não foi identificado nenhuma ave ou mamífero que agisse como inimigo natural, o que justificaria a existência dos pêlos venenosos.
O único remédio eficiente para acidentes com a Lonomia é o Antilonômico, feito a partir das cerdas pelo Instituto Butantan.
Vc já viu alguma TATURANA? Conhece essas aí? Então veja algumas comuns aqui na zona rual de São José da Laje.

domingo, 2 de dezembro de 2007

Fundo do governo vai destinar R$ 1 bi para moradia de baixa renda

Ministério das Cidades vai divulgar esta semana balanço dos pedidos de estados e municípios que querem utilizar recursos do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS) no ano que vem.

O ministério deve destinar R$ 1 bilhão à construção de moradias de baixo custo, urbanização de assentamentos precários nas regiões metropolitanas e aquisição de lotes. O valor é praticamente o mesmo contratado pelo FNHIS este ano, no total de R$ 999,7 milhões. De acordo com o ministério, foram atendidas 120 mil famílias de 1.188 municípios do país.De acordo com números divulgados pela Secretaria de Habitação da Pasta, R$ 650 milhões foram empregados na urbanização de 146 assentamentos precários, R$ 304,4 milhões foram para construção e aquisição de lotes, R$ 35,6 milhões gastos na elaboração de planos habitacionais pelos municípios e R$ 9,7 milhões na contratação de assistência técnica.A divisão dos recursos do FNHIS para 2008 prevê menos dinheiro para urbanização e aumento da cota para obras de construção. Os projetos para urbanização de favelas podem usar até R$ 400 milhões, enquanto R$ 450 milhões serão destinados à construção de moradias para famílias de baixa renda. O programa destina ainda R$ 100 milhões para projetos de associações e entidades sem fins lucrativos, R$ 30 milhões para a elaboração de planos habitacionais e R$ 20 milhões para assistência técnica.O Ministério das Cidades destina à região Sudeste mais da metade dos recursos para urbanização de favelas, equivalente a 56,09% do total, enquanto o Nordeste fica com 23,5%, o Norte com 10,34%, a Região Sul com 8,28% e o Centro-Oeste com 1,78%. No que se refere à verba para moradia (36,68% do total), os estados do Sudeste também devem ter a maior fatia dos recursos, seguida pelo Nordeste com 34,71%. Com menores participações vêm o Sul, com 11,06%, o Norte, com 10,76%, e o Centro-Oeste, com 6,79%.Criado em junho de 2005, depois de 13 anos de tramitação no Congresso Nacional, o FNHIS entrou efetivamente em operação em 2006, quando foram contratados R$ 44,9 milhões para a construção de habitações e R$ 66,2 milhões para a urbanização de favelas. Todos com prazo de conclusão em até 24 meses; período durante o qual os recursos são repassados à medida em que as obras são executadas, conforme atestado da Caixa Econômica Federal, que opera o programa.O fundo tem o objetivo de viabilizar habitação digna para as populações de baixa renda, e integra as políticas habitacionais federal, dos estados, municípios e do Distrito Federal. Para isso, recebe recursos do Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Social (FAS), dotações orçamentárias e doações de pessoas físicas e de organismos internacionais de cooperação, dentre outros.
Funciona, também, como base de sustentação do Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS), que, por sua vez, recebe recursos do Fundo de Apoio ao Trabalhador (FAT) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Timão na Segundona!


Num jogo penoso o Grêmio consegue selar o destino do Corinthians Paulista ao empatar em 1x1 e o Timão está na segundona do Campeonato Brasileiro de 2008.

Apesar das previsões estatísticas apontarem para esse fim trágico ninguém acreditava, ou queria acreditar nesta possibilidade. Um time com quase 100 anos na elite do futebol brasileiro vai disputar a segundona do campeonato brasileiro e quem sabe não veremos no Rei Pelé o jogaço CRB X Corinthians?

Não sou nenhuma autoridade no assunto, mas como leigo no futebol acredito que isso foi um marco!

No Grêmio, o começo fulminante - 1 a 0 com gol de logo a um minuto de jogo, com Jonas, de cabeça, aproveitando o cruzamento de Bustos em cobrança de falta - deixava claro que o time gaúcho tinha melhor condição técnica. Mas, quem pensava que a ducha fria corintiana seria esse gol, se enganou. A equipe cresceu quando o Internacional fez 1 a 0 em Goiânia.

Foi quando o Goiás marcou que o time se incomodou? Não, porque o sofrimento foi breve: o time conseguiu empatar com Clodoaldo, aos 30 minutos, se jogando na bola cruzada por Carlos Alberto pela direita - lançada por Vampeta -, desviando de pé esquerdo antes de Patrício. Mas os quatro volantes do meio-campo não serviam para garantir pressão ofensiva.

Quando saiu o segundo gol do Goiás, de pênalti - após duas cobranças que voltaram - o time corintiano aí sim desanimou. E a falta de força ofensiva pesou. Não conseguiu criar chance de gol e não o fez. Com o empate, resta pensar na volta à divisão principal no ano que vem.

Após o fim do jogo, milhares de torcedores que lotavam o estádio foram às lágrimas.

Veja matéria completa no site da Oi clicando aqui!
Fonte: Agência Estado