terça-feira, 9 de outubro de 2007

Igreja Matriz de São José em Obras.

Depois de mais de 2 anos de esforços do padre Antonio Alexandre a reforma da Igreja Matriz de São José foi iniciada. Estão sendo feitos reparos na faixada externa e interna, além da pintura necessária. A mais de 2 anos o padre Alexandre vem juntamente com a comunidade católica lajense, angariando fundos para a empreitada que promete entrar para a História como uma das mais profundas que São José da Laje já viu no templo católico. A Igreja vista na foto acima teve suas obras iniciadas em 1922 pelo coronel Carlos Lyra, proprietário da Usina Serra Grande, com sua morte em 1927 teve suas obras paralizadas, mas a viúva e seus filhos retomaram-na e a concluíram em 1929. O estilo de sua arquitetura põe o templo católico como um dos mais belos do interior alagoano, e no topo dos templos contemporâneos no país.
Esta reforma veio em tempo oportuno uma vez que toda a avenida Arlinda Véras está sendo reconstruída, com os bares (do Nelso Braz e do Pelé e a pastelaria do Anatole) tendo sido demolidas e um novo projeto urbanístico sendo implantado, está sendo construída a praça de Multieventos Reginaldo Batista (onde antes haviam as quadras de esporte), obras estas a serem inauguradas no próximo dia 12.
Confira abaixo um resumo da história da igreja católica em São José da Laje, disponível na monografia de conclusão do curso de Licenciatura em História: São José da Laje: Revivendo Memórias da Enchente de Março de 1969, que pode ser baixado gratuitamente clicando aqui.
"Entre 1820 e 1829 foi erguida por José Vicente de Lima uma capela em invocação a São José. No ano de 1893 foi firmado um convênio com a Diocese de Maceió, pelo qual a paróquia de São José da Laje ficaria sob administração de padres do Sagrado Coração de Jesus (SCJ) por um período de 100 anos. A razão para esse acordo não pude apurar, mas pude confirmar como testemunha que foi cumprido, quando em 1993 os Padres Marcos e João (SCJ) passaram a administração paroquial para a Diocese de Maceió (...)
Pontes (1980) nos diz que a capelinha construída por José Vicente de Lima teve um primeiro período de 55 anos como capela, depois experimentou mais 55 anos como matriz. De 1929 a 1969, portanto 40 anos depois, voltou a ser capela porque a Igreja de São Carlos (este seria o nome da igreja construída pelo coronel Carlos Lyra) teve sua construção acabada e a sede da paróquia foi transferida para a nova Igreja, assumindo esta a condição de Matriz de São José."