quinta-feira, 15 de abril de 2010

A História da Curva da Melancia


Poeta lajense residente na Bahia, descendente de italianos, postou em seu blog a poesia matuta abaixo que nos conta um pouco da tão conhecida "Curva da Melancia", a famigerada ladeira localizada na BR 104, trecho Laje-Quipapá.

Amigo esta é uma história
É um caso de arrepiar
Não é mentira o que eu falo
Quem quiser vá comprovar
Só tenha muito cuidado
Da morte não apressar

Perguntei pra Seu Mané
E notei que ele sabia
Quantas mortes que já tinha
Na curva da melancia
Me disse que há muito tempo
Essa conta ele fazia

E já passou de uns mil
Que a malvada já levou
E só de uma vez foi trinta
Que a curva as vidas cepou
Assim ele foi contando
Cada caso que guardou

Sua casa é bem em cima
E dá pra tudo enxergar
Se ele escuta estrondo e grito
Mesma noite vai olhar
Ele desce a ribanceira
Pra conta dele aumentar

Vai com seu caderno e lápis
Lanterna pra clarear
Ajuda até a polícia
As vítimas encontrar
Das contas do Seu Mané
Quem é que vai duvidar

Aluno de faculdade
Que estava quase formando
Casal de noivo abraçado
Padeceram se amassando
E por aí foi Seu Mané
Cada caso detalhando

Teve uma kombi de velhos
Que vinha pro FUNRURAL
Foi feia essa bagaceira
Placa voou no quintal
Ficou foi velho espalhado
Dentro do canavial

Pobrezinhos dos velhinhos
Nem chegaram a aposentar
É que o bicho do chofer
Falava no celular
Matou ele os coitadinhos
E fez o sonho acabar

O Seu Mané tudo anota
Pelo sexo, idade e dia
Os que o destino encontraram
Na curva da melancia
Ele nem sabe o porquê
E de onde vem a mania

Disse que fica ocupado
No tempo do carnaval
Quem vai para Maceió
Fica no canavial
Muita notícia ele dá
Pro povo ver no jornal

Eles bebem tudo em casa
Passam cheios da cachaça
Correm, nem estão ligando
Achando que tudo é graça
Se acabam e nada vêem
Quando o buracão lhe abraça

Ônibus cheio de matuto
Sumindo no sumidouro
Nem dá pra Deus perdoar
Nem se escuta nem o choro
Esses cabras nem percebem
A gente só vê estouro

Até padre vem benzer
Pra esses males espantar
Mas nada disso adianta
E ninguém vai se salvar
Esse é mais um mistério
E a NASA sem explicar

Temos aqui no nordeste
Um triângulo das bermudas
Desafia entendimento
Essas curvas narigudas
Se dirigires pra lá
Seja atento, não te iludas

Olhe pro lado da Usina
Penda para Serra Grande
Tu vai descer essa penha
Pois o Pai do céu é grande
Ele vai te proteger
A lista do velho é grande

Até turista argentino
Foi dançar tango no céu
E sumiu no buracão
Nem comeu sarapatel
Ele faz parte da lista
De quem foi pro beleléu

Perguntei pro Seu Mané
Se algum caso lhe marcou
Ele olhou distante e disse
Que uma menina passou
Ela dirigia o carro
Coitadinha me acenou

Ela sumiu foi no mundo
Pros lados de Ibateguara
Certamente pra ladeira
A menina não olhara
Ela olhou muito pra mim
O dia dela chegara

Teve uma horrível batida
Matando a muitos crentes
Caíram eles e as freiras
E até em tempos recentes
Meninos no mato achavam
Seus crucifixos pingentes

Por último teve um jegue
Ele viajava pra Lage
Vinha lá de Canhotinho
Se encantou com a paisagem
Também não viu o buraco
E pensou que era pastagem
Isto aqui é um alerta

Para o mundo se cuidar
Dirijam com atenção
Pra curva não lhe pegar
Que as mortes na melancia
Cada vez vai aumentar

Nenhum comentário: