domingo, 17 de fevereiro de 2008

O Combate a Corrupção.


Este post é só para que saibamos um pouco mais sobre os males que acometem nossos queridos portugueses, e quem sabe daí podermos enchergar mais essa herança dos nossos antigos colonizadores. Eles lá sofrem com o mau que temos cá!
A forma como alguns dos nossos políticos querem combater a corrupção, de que alguns dos seus pares são os grandes incentivadores e beneficiários, lembra-me as coutadas turísticas onde as perdizes são criadas e soltas para que depois uma parte delas seja tranquilamente abatida, a maioria escapa e na próxima época volta-se ao mesmo exercício.Basta olhar para a generalidade dos casos de corrupção ou para o espectáculo que está a ser dado pela Câmara Municipal de Lisboa para se perceber que é bem mais fácil evitar do que combater. Se os partidos e governos fossem criteriosos nas escolhas dos responsáveis da Administração Pública ou se os líderes partidários vissem as vitórias como um exercício de democracia e não como algo que se pode conquistar a qualquer custo, haveriam muitos menos corruptos.No Estado, como nos partidos, a cultura da excelência deu lugar à do compadrio criando um ambiente de subserviência e oportunismo onde sobrevivem os mais oportunistas e corruptos. É ridículo que sejam os responsáveis por este estado de coisas armarem-se em puritanos no parlamento com propostas generosas de combate à corrupção.Veja-se o que o PSD fez na Câmara Municipal de Lisboa onde procedeu a um verdeiro assalto com um exército de inúteis que precisa do partido para encontrar emprego. São vereadores idiotas, administradores de empresas municipais incompetentes e assessores inúteis, todos eles pertencentes às clientelas pessoais de António Preto, Marques Mendes ou Santana Lopes.Em vez de adoptarem leis para combater a corrupção talvez fosse mais útil que os partidos adoptassem regulamentos internos que evitassem que a sua própria sobrevivência dependesse da corrupção.

Estação Ferroviária da Laje: Quanto Abandono!

Durante a quarta-feira de cinzas voltei-me para Estação Ferroviária da Laje. Abandonada, com suas portas arrombadas, do seu interior emanam vapores oriundos dos excrementos humanos por lá abandonados. Enquanto isso a biblioteca pública está sem espaço suficiente, não temos casa de cultura, não temos um espaço para manter vivas as lembranças de ser lajense! E ainda perdemos dinheiro com isso.
É triste ver a Estação Ferroviária nesse Estado, na parte mais antiga da Laje, um prédio construído em fins do século XIX, ainda pela Great Wester Brazil Railway (GWBR), empresa inglesa que construiu as estradas de ferro nesta parte do país. Depois assumida pela RFFSA (Rede Ferroviária Federal S.A.), a estação da Laje segue sua história como muitas das cidades próximas: entregue ao abandono.
Quantos amores não partiram daqui? Quantas alegrias não chegaram por aqui? Somente as lembranças daqueles que se foram persistem na memória de alguns lajenses. Este prédio grandioso guarda a história de mais de 1 século de existência. Seria um lugar maravilhoso para abrigar nossa cultura. Uma casa de cultura funcionando ali abrigaria e reuniria as obras e as lembranças de lajenses ausentes, brilhantes mundo afora.
Mas como custearia-se a manutenção disso? Ora um projeto cultural pode se auto-sustentar. As obras doadas pelos lajenses presentes e ausentes não guardariam apenas o passado de São José da Laje, mas do Brasil. E transformada em museu seria visitada por estudantes de toda a Alagoas e estados vizinhos.
Só precisa de vontade política e determinação, para resgatar os bons valores sociais "ausentes" na atual São José da Laje. O nosso alunado pouco conhece de nossa história e de como ela está inserida no contexto histórico brasileiro.
Puxa a USGA (Usina Serra Grande S.A.) foi a 3ª usina montada no Estado, numa época em que "apagavam o fogo" dos engenhos bangüês. Foi ponta na tecnologia de combustível alternativo com o USGA. E hoje ainda é uma empresa de fazer inveja a muito usineiro em Alagoas.
Imagino um dia: Prefeitura Municipal de São José da Laje, USGA, IPHAN, MEC, Igreja Católica, UFAL, e toda a sociedade lajense comemorando a existência deste espaço para os lajenses.
Mas quando faremos isso?

Vejam como se encontra a Estação Ferroviária de São José da Laje e ninguém se incomoda com isso: